O Brasil perdeu 1,5 ponto e agora aparece na 153ª colocação do Índice de Liberdade Econômico da Heritage Foundation, a principal referência mundial no tema.

Os dados da edição de 2018 foram divulgados nesta sexta-feira – com publicação da versão em português do documento de forma simultânea, em parceria com o Instituto Monte Castelo e a Gazeta do Povo. O conteúdo completo pode ser acessado aqui.

A queda foi provocada pela piora nos indicadores de saúde fiscal, liberdade de trabalho, liberdade de negócios, gasto público e integridade do governo.

No continente americano, o Brasil é o 27º colocado entre 32 países. O país foi classificado na categoria “majoritariamente não-livre”, ligeiramente acima da categoria “reprimido”, usada para classificar as nações com menos de 50 pontos no índice.

Publicado desde 1995, o Índice de Liberdade Econômica da Heritage avalia os países em quatro categorias, cada uma com três subcategorias:

* Estado de Direito – Direitos de Propriedade, Integridade de Governo, Eficiência Judicial
* Tamanho do governo – Gastos do Governo, Carga Tributária, Saúde Fiscal
* Eficiência Regulatória – Liberdade Comercial, Liberdade de Trabalho, Liberdade Monetária
* Mercados Abertos – Liberdade de Comércio Exterior, Liberdade de Investimento, Liberdade Financeira

Todos os critérios têm o mesmo peso no cálculo final do índice, que considera uma escala de 0 a 100.